quinta-feira, maio 10, 2007

População do Casal da Mira recebe apoio médico na rua

Kelly Nascimento teve uma consulta invulgar. Foi atendida na rua, na carrinha onde funciona o apoio médico aos moradores do Casal da Mira, um bairro da Amadora onde foram realojadas pessoas que viviam em barracas. Sem dinheiro para comprar os medicamentos para a asma que lhe foram receitados no Hospital Amadora-Sintra, procurou um dos médicos que estão a dinamizar o projecto para que este os substituísse por genéricos. "Soube pela farmácia que eles vinham cá, aproveito e levo também uns brinquedos", disse ao DN.

Montada junto ao posto móvel onde todos os sábados são dadas consultas de saúde materna, planeamento familiar e vacinação, a banca com jogos, roupa e livros funciona como um chamariz para os mais novos. É junto a ela que os voluntários da Associação de Jovens Promotores da Amadora Saudável distribuem preservativos, contraceptivos e folhetos sobre o HIV. As irmãs de Leni Lima, de 15 anos, já lá foram. Ela ainda não o fez. "Tenho vergonha", assume.

Todos os sábados são atendidas naquele posto móvel cerca de 15 pessoas. Desde que o projecto foi lançado, em Fevereiro, com o apoio do Ministério da Saúde, do Centro de Saúde da Venda Nova e da Associação Unidos de Cabo Verde, o número de utentes tem vindo a aumentar. As mulheres e crianças vão de manhã. Os homens e os adolescentes, à tarde. Se não fosse este serviço, muitos destes moradores só teriam assistência em caso de urgência.

In Diário de Noticias - 6.5.2007

1 comentário: